Buscar
  • Bruno Lima Wanderley

Com Funciona o Wi-Fi em Aviões - Parte 4 - Limitações do IP via Satélite


As redes Wi-Fi in-flight tem o potencial de serem até rápidas, como vimos no post Parte 2 sobre o tema. O grande ponto é como o gerenciamento de recursos que é feito no avião e quais tipos de serviços os passageiros irão utilizar. Se tiverem 40 passageiros utilizando redes sociais com um link satelital de 70 Mbps, dá e sobra. Agora, se tiverem 20 utilizando o Netflix e outros 20 utilizando Spotify, o bicho vai pegar. Independente da tecnologia utilizada para transmitir e receber os dados via internet é necessário haver um serviço que, ao menos, distribua igualmente a velocidade entre os usuários.

A despeito de toda a velocidade das tecnologias citadas anteriormente (Air To Groung - ATG, Satélite), existem algumas limitações. Por exemplo, o sistema ATG - que é aquele se conecta a uma rede de telefonia celular (figura) - tem apenas uma antena na frente e outra atrás do avião, e nas laterais, no caso do ATG-4 (próxima figura). Já no receptor satélite de banda Ku pode se conectar a apenas um satélite de cada vez. Em outras palavras, o sistema pode cair de vem em quando enquanto os sistemas migram de uma antena de telefonia celular para outra, ou de um satélite para outro.

A tecnologia ATG também tem seus problemas, e bem sérios, especialmente se tratando de países que não tem uma ampla cobertura de telefonia celular (né, Brasil?). Vale ressaltar que é bem mais fácil eu ter uma cobertura extremamente ampla em países menores e com maior desenvolvimento econômico e social. Noruega, Coréia do Sul e Suíça são bons exemplos.

Haja vista que a cobertura celular em terras tupiniquins não é das melhores (mas, admito a melhora), usar este tipo de tecnologia em nossas empresas aéreas não é trivial. O sinal cairia constantemente devido a cobertura pouco abrangente, considerando todo o território nacional e não somente as áreas metropolitanas. Muito provavelmente teríamos mais aborrecimentos do que um serviço prestado propriamente dito.

Nos pólos Norte e Sul, naturalmente, não temos torres de telefonia celular. Além disso, as conexões via satélite são bem difíceis de se conseguir nessa área, pois grande parte dos satélites está apontada para áreas de maior densidade demográfica em cada país. Papai Noel e o Urso da Coca Cola terão trabalho para acessar o YouTube.

Lembrem-se de outro aspecto que talvez vocês já tenham percebido: As Redes Wi-Fi caem toda hora! Seja porque está mal configurada, ou porque existe algum tipo de interferência, ou até mesmo quando o access point para de funcionar e você tem que reiniciar ele (quem nunca?). Se os problemas forem estes, é até facil de resolver. Mas, e se o satélite não estiver disponível? Ou se a rede 4G está fora do alcance? Muita coisa pode dar errado.

Apenas peço que não gritem com os comissários de bordo quando o serviço não funcionar. Eles não poderão fazer nada. Lembre também que o sistema de IP via Satélite/3G não é um sistema crítico do avião (como os sistemas de aviônicos), então o avião não deixará de decolar caso a rede de dados não funcione.

Ano passado, li um artigo do New York Times intitulado "The Sorry State of In-Flight Wi-Fi,”, que traduzindo mais ou menos fica: O estado lastimável da internet em aviões. Nick Bilton escreveu, "Eu finalmente encontrei algo nos voos comerciais que é pior do que a comida: o Wi-Fi. É tão lento e pouco confiável que não deveriam permitir que chamassem isso de 'Wi-Fi'. Poderiam chamar de conexão discada em aviões, mas seria injusto com as conexões discadas." De qualquer forma, as coisas estão melhorando, como vocês puderam perceber ao longo dos meus posts.

Bem, com isso encerro este ciclo de artigos sobre Wi-Fi em aviões. Na verdade, comentei mais sobre IP via Satélite, afinal é a tecnologia que vai dominar o mercado da aviação nos próximos anos.

50% a 65% de desconto agora para você!

Use o cupom UNISAT50 e ganhe 50% de desconto em qualquer curso de wi-fi.

Use o cupom UNISAT65 e ganhe pelo menos 65% de desconto em qualquer curso de satélite.

Um abraço!

Bruno

Referências:

http://www.nytimes.com/2015/01/22/style/the-sorry-state-of-in-flight-wi-fi.html?_r=0 http://blogs.reuters.com/data-dive/2015/02/13/the-problem-with-in-flight-wi-fi/ Referências: http://thepointsguy.com/2015/11/how-in-flight-wi-fi-works/#ixzz4EoXpwn3D

http://www.aircraftinteriorsinternational.com/news.php?NewsID=44502


90 visualizações
Tags

Curso Redes de Computadores, Redes Wireless, Redes Wi-Fi, curso redes wireless, curso de redes.